Ano Bissexto 2020

Ano Bissexto 2020

2020 é um Ano Bissexto, Faltam 25 dias para o início

Todo mundo sabe que um ano dura 365 dias. O número está certo no seu calendário – exceto nos anos bissextos, quando você recebe um lembrete irritante de que o ano de 365 dias não coincide exatamente com o ano verdadeiro, como definido por quanto tempo leva a Terra para completar uma órbita ao redor o sol.

Forçar o calendário humano a permanecer em sincronia com os ciclos da natureza requer algumas contorções incômodas. A cada quatro anos, o mês de fevereiro tem 29 dias em vez dos habituais 28. Portanto, 2020 será um ano de 366 dias, já que o último foi 2016. Mas se um ano é divisível por 100, não há dia extra – a menos que o ano seja divisível por 400, caso em que há um dia a mais no final das contas. Em outras palavras, 2100 não será um ano bissexto, mas 2400 será.

É tudo uma bagunça, mas é necessário compreender. Por isso vamos explicar para você como isso funciona em detalhes.

Por que temos anos bissextos?

Não haveria necessidade de anos bissextos se a órbita da Terra durasse exatamente 365 dias. Na realidade, o ano solar é um desastroso 365,2422 dias. Assim, na marca de 365 dias, a Terra não circulou completamente até o seu ponto de partida.

Esse atraso de um dia de 0,2422 pode parecer pequeno, mas acrescenta-se. Se tivéssemos nada além de 365 dias, o calendário continuaria escorregando em relação às estações do ano. Depois de três séculos, o dia 1º de janeiro chegaria no outono. Depois de seis séculos, pousaria no verão.

Essa era a estranha situação em Roma no século I a.C., quando o calendário havia ficado dois meses fora de alinhamento com as estações do ano. Nas palavras do historiador da Universidade de Houston, Richard Armstrong, “o calendário romano estava em uma terrível confusão”.

Compreenda o decorrer de um dia em relação à Terra

Como você provavelmente sabe, nosso dia é definido pela rotação da Terra em torno de seu próprio eixo. Para uma primeira aproximação, o meio-dia é quando o sol está mais alto no céu, e um dia é o período de tempo entre dois meios-dias sucessivos. E nosso ano é definido pela rotação da Terra ao redor do sol.

Para muitas áreas da Terra (que não estão muito próximas do equador nem dos pólos), dia e noite têm diferentes comprimentos em diferentes épocas do ano. Eles ficam mais longos no verão e mais curtos no inverno. O equinócio da primavera é o tempo entre o inverno e o verão, quando dia e noite têm o mesmo comprimento: 12 horas cada.

E para uma primeira aproximação, um ano é o período de tempo entre dois equinócios de primavera sucessivos.

Agora o problema é que o dia (definido pela rotação da Terra em torno de seu eixo) não é um divisor exato do ano (definido pela revolução da Terra ao redor do sol).

Se você tentar fazer um calendário com um número fixo de dias inteiros, ele sairá lentamente de sincronia com o ano natural. Por exemplo, se você decidir fazer um calendário com 365 dias e colocar o equinócio de primavera no dia 21 de março, depois de 4 anos, você descobrirá que o equinócio de primavera (que você pode observar ao cronometrar nascer e pôr do sol e calcular o dia) quando dia e noite são do mesmo comprimento) cai no dia 22 de março, e depois de 100 anos, será em algum lugar por volta do dia 14 de abril!

Então, de ano para ano, você não notará uma grande diferença, mas no decorrer de uma vida, você veria as estações se movimentando lentamente no calendário – não tão espetacularmente como no calendário islâmico, mas ainda assim.

Quem criou o ano bissexto?

Em 46 a.C. Júlio César declarou que o ano atual duraria 445 dias, alinhando o calendário com as estações do ano. Oficiais romanos irritados se referiam a ele como o annus confusionis. Armstrong o chama simplesmente de “o ano mais longo da história”.  Para limitar qualquer confusão futura, César instituiu um novo calendário (agora chamado de calendário juliano) que adicionava um dia bissexto a fevereiro a cada quatro anos.

Esse foi o começo do ano bissexto como o conhecemos hoje, mas não o fim. O calendário juliano produz anos com uma média de 365,25 dias de duração – muito melhor do que o calendário romano que ele substituiu, mas ainda não é uma combinação perfeita com o atual ano solar.

No século 16, o erro havia chegado a 10 dias notáveis. Em resposta, o papa Gregório XIII substituiu o calendário juliano pelo mais refinado “gregoriano”, que introduziu a programação moderna de dias bissextos. Ele também restaurou as estações e feriados em seu lugar original, decretando um salto no tempo: 4 de outubro de 1582 foi seguido por 15 de outubro.

Toda cultura no mundo tem um ano bissexto?

Os povos antigos estavam bem conscientes de que os anos não se dividiam uniformemente em dias ou meses lunares, então eles criaram uma série de soluções, não necessariamente sempre o ano bissexto.

Os calendários hindus, chineses e hebraicos incorporaram meses bissextos para acompanhar as estações do ano (os feriados baseados nesses calendários tradicionais ainda seguem um padrão lunar, e é por isso que eles se movem em relação aos nossos meses e dias gregorianos).