Círio De Nazaré

Círio De Nazaré

O Círio de Nazaré, uma das maiores festas religiosas comemoradas no Brasil em honra de Nossa Senhora de Nazaré, é uma data comemorativa do calendário do Estado do Pará e acontece na cidade de Belém.

Essa é uma tradição católica que já dura mais de dois séculos em prol do amor e devoção que as pessoas costumam ter com a Mãe de Jesus. Por isso não somente os católicos, mas também todas as pessoas que admiram e amam a Mãe do Senhor a comemoram com imenso amor e carinho.

Para você que está a busca de maiores informações sobre o Círio de Nazaré a fim de programar uma viagem, fazer algum trabalho ou qualquer finalidade que seja, nossa equipe buscou as melhores informações para lhe apresentar.

A lenda de Nazaré

Essa lenda nos explica como nasceu a devoção a Nossa Senhora de Nazaré e dá pistas de por que surgiu a celebração do Círio de Nazaré na cidade de Belém, no Pará.

A lenda da Nazaré conta que, no início da manhã de 14 de setembro de 1182, Dom Fuas Roupinho alcalde do Porto de Mós, Portugal, estava caçando em seu domínio, perto da costa, quando viu um cervo que imediatamente começou a perseguir. De repente, uma névoa pesada subiu do mar. O cervo correu para o topo de um penhasco e Dom Fuas no meio do nevoeiro se perdeu de seus companheiros. Quando ele percebeu que estava na beira do penhasco, reconheceu o lugar. Ele estava ao lado de uma pequena gruta onde uma estátua de Nossa Senhora com o Enfant era venerada. Assim ele orou em voz alta Nossa Senhora, suplicando: “Me ajude”. De repente, o cavalo miraculosamente parou no final de um ponto rochoso suspenso sobre o vazio, o Bico do Milagre, salvando assim o cavaleiro e sua montaria de uma queda de mais de 100 metros, uma queda que certamente teria causado sua morte.

Dom Fuas desmontou e desceu à gruta para rezar e agradecer pelo milagre. Então ordenou a seus companheiros que trouxessem maçons para construir uma pequena capela sobre a gruta, para que a imagem milagrosa pudesse ser facilmente venerada por todos e como um memorial ao milagre que a salvou. Então, antes de murchar a gruta, os maçons destruíram o altar existente, onde entre as pedras encontraram um baú de marfim contendo algumas relíquias e um velho pergaminho descrevendo a história da pequena estátua de madeira, uma palma alta, de Nossa Senhora sentada amamentando o bebê Jesus, este sentado sua perna esquerda.

Como a imagem chegou até Dom Fuas

Segundo o pergaminho, a estátua deve ter sido venerada desde o início do cristianismo em Nazaré, na Palestina. Foi resgatado dos iconoclastas no quinto século pelo monge Ciriaco. Foi ele quem a trouxe para a Ibéria, para o mosteiro de Cauliniana, perto de Mérida, onde permaneceu até 711, ano da batalha de Guadarete, quando as forças cristãs foram derrotadas pelo exército invasor mourisco vindo do norte da África.

Quando as notícias da derrota chegaram a Mérida, os frades de Cauliniana se prepararam para deixar seu mosteiro. Enquanto isso, o rei derrotado, Roderic, conseguiu fugir sozinho do campo de batalha e disfarçado de mendigo pediu anonimamente abrigo no mosteiro. Quando ele pediu a um dos frades, Frei Romano, para ouvi-lo em confissão, ele teve que dizer quem ele realmente era. Então o frade sugeriu que fugissem levando consigo uma antiga e santa imagem de Maria com o Enfant venerado no mosteiro.

Assim, a estátua de Nossa Senhora da Nazaré, que recebeu o nome da aldeia na Terra Santa, onde foi venerada pela primeira vez, foi trazida pelo frade Romano e pelo rei Roderic para a costa do Atlântico. Quando chegaram ao seu destino, instalaram-se numa ermida vazia no topo de uma colina rochosa, o Monte de S. Bartolomeu, e lá ficaram por alguns dias. Eles então decidiram separar-se e viver sozinhos como eremitas. O frade pegou a imagem e instalou-se numa pequena gruta, à beira de um penhasco sobre o mar, junto à colina onde o rei continuava vivo.

Um ano se passou e Roderic decidiu deixar a região. Frei Romano ficou em sua ermida acima do mar até a morte. A estátua sagrada, uma Senhora Negra, permaneceu no altar onde a deixou até 1182, quando Dom Fuas, após o milagre, a transferiu para a capela construída sobre a gruta como um memorial ao evento que salvou sua vida. Assim, a capela ainda existente recebeu o nome de Capela da Memória.

Daí em diante já sabemos qual o resultado de tal atividade, pois daí surgiu a grande devoção que o povo paraense tem e demonstra nas celebrações do Círio de Nazaré!