Páscoa

A Páscoa é um feriado cristão que celebra a crença na ressurreição de Jesus Cristo. No Novo Testamento da Bíblia, o evento é dito ter ocorrido três dias depois que Jesus foi crucificado pelos romanos e morreu em aproximadamente 30 dC. O feriado conclui a “Paixão de Cristo”, uma série de eventos e feriados que começa com a Quaresma – um período de 40 dias de jejum, oração e sacrifício – e termina com a Semana Santa, que inclui a quinta-feira santa (celebração da última ceia de Jesus com seus 12 apóstolos), sexta-feira santa (na qual se observa a crucificação de Jesus); Domingo de Páscoa. Apesar de um feriado de alto significado religioso na fé cristã, muitas tradições associadas à Páscoa remontam aos tempos pagãos pré-cristãos.

Quantos dias faltam para o dia da Páscoa de 2020?
hoje é .
A Páscoa é um feriado cristão é uma data móvel, não tem uma data específica para acontecer, em 2020 é celebrada dia 12 de abril.
Faltam 180 dias para o dia da Páscoa 2020
Dia da Páscoa! Como Surgiu esta Comemoração
Abril 2020
DoSeTeQuQuSe
29303101020304
05060708091011
12131415161718
19202122232425
26272829300102
03040506070809
10: Paixão de Cristo
12: Páscoa
21: Tiradentes
23: Dia de São Jorge

Quando é a Páscoa?

A Páscoa não tem uma data específica para acontecer, sendo sua ocorrência em datas diferentes ano após ano.

O Domingo de Páscoa e as celebrações relacionadas, como a Quarta-Feira de Cinzas e o Domingo de Ramos, são consideradas “festas móveis”, embora no cristianismo ocidental , que segue o calendário gregoriano, a Páscoa caia em um domingo entre 22 de março e 25 de abril.

No cristianismo ortodoxo oriental, que adere ao calendário juliano, a Páscoa cai em um domingo entre 4 de abril e 8 de maio de cada ano.

Em algumas denominações do cristianismo protestante, o domingo de Páscoa marca o início do período pascal ou a época da Páscoa. O tempo de Páscoa termina no 50º dia após a Páscoa, que é conhecido como Domingo de Pentecostes.

Nos ramos ortodoxos orientais do cristianismo, o domingo de Páscoa serve como o início da temporada da Páscoa, que termina 40 dias depois com o feriado conhecido como a Festa da Ascensão.

Apesar de seu significado como um dia sagrado cristão, muitas das tradições e símbolos que desempenham um papel fundamental nas observâncias da Páscoa realmente têm raízes nas celebrações pagãs – particularmente a deusa pagã Eostre (ou Ostara), a antiga deusa germânica da primavera – e na Feriado judaico da Páscoa.

Tradição religiosa da Páscoa

A ressurreição de Jesus, conforme descrito no Novo Testamento da Bíblia é essencialmente o fundamento sobre o qual as religiões cristãs são construídas. Portanto, a Páscoa é uma data muito significativa no calendário cristão.

De acordo com o Novo Testamento, Jesus foi preso pelas autoridades romanas, essencialmente porque ele alegou ser o “Filho de Deus”, embora os historiadores questionem esse motivo, com alguns dizendo que os romanos podem tê-lo visto como uma ameaça ao império.

Ele foi condenado à morte por Pôncio Pilatos, prefeito romano na província da Judéia de 26 a 36 dC A morte de Jesus pela crucificação, marcada pelo feriado cristão da Sexta-Feira Santa (sexta-feira antes da Páscoa), e subseqüente ressurreição três dias depois, pelos autores dos evangelhos, para provar que ele era o filho vivo de Deus.

De várias maneiras, todos os quatro evangelhos do Novo Testamento (Mateus, Marcos, Lucas e João) afirmam que aqueles que creem na morte e ressurreição de Jesus recebem “o dom da vida eterna”, significando que os que têm fé serão bem-vindo ao “Reino dos Céus” após a sua morte terrena.

Tradições da Páscoa

No cristianismo ocidental, incluindo o catolicismo romano e as denominações protestantes, o período anterior à Páscoa tem um significado especial.
Este período de jejum e penitência é chamado Quaresma. Começa na quarta-feira de cinzas e dura 40 dias (não incluindo os domingos).
O domingo imediatamente anterior à Páscoa é chamado Domingo de Ramos e comemora a chegada de Jesus a Jerusalém, quando os seguidores colocaram folhas de palmeira na estrada para cumprimentá-lo.
A Páscoa é realmente uma festa emocionante e você pode utilizá-la como forma de se aproximar ainda mais dos ensinamentos de Jesus, que é o grande protagonista de toda essa festividade.

Como Surgiu a Comemoração do dia da Páscoa

A origem desse dia remonta aos preceitos bíblicos do Antigo Testamento, que indicam que o povo hebreu, após vários anos de escravidão no Egito, foram enfim libertados pelo seu Deus e passaram a comemorar a Páscoa como o dia de sua libertação.
O termo quer dizer “Passagem” e indica duas vertentes: uma material e outra espiritual: a passagem do Mar Vermelho a pé enxuto (um milagre operado por Deus em sua fuga dos exército do faraó) e a passagem para uma vida nova.

A Ressurreição de Jesus

Data celebrada todos os anos no calendário civil e também no calendário religioso (católico), a Páscoa possui todo um simbolismo para a sociedade e para os cristãos em especial: é o tempo de confraternização para os familiares e também o dia de comemorar a ressurreição de Jesus (para os cristãos), para quem crê que Ele não está morto, mas ressuscitou e vive e reina para sempre!

Já no Novo Testamento, a Bíblia narra que houve um evento que marcou a história da humanidade e que, segundo o Cristianismo, mereceu trazer um novo significado à Páscoa: a ressurreição de Jesus Cristo.
Tratada pelos cristãos como o evento que trouxe a libertação para toda a humanidade dos seus pecados, ao Cristianismo pareceu relevante dar ênfase a isso frente a qualquer outra comemoração. O questionamento que se fez foi a respeito do que seria mais relevante: celebrar a saída do Egito ou a salvação da humanidade. E por fim tomou-se a decisão por celebrar a salvação.

A celebração da Páscoa é uma das heranças mais bonitas do Cristianismo e tem a missão de nos fazer crer que a nossa vida pode passar por transformações e que podemos ser pessoas novas. Para os cristãos católicos trata-se de uma celebração de cunho obrigatório. Para os que não são católicos, ao menos o espírito pascal pode chamar a atenção, pois trata-se fundamentalmente de trazer a tona aquilo que o ser humano tem de melhor, que é a sua capacidade de sublimação.