Sexta-Feira Santa 2020

A Sexta-Feira Santa, habitualmente chamada Sexta-Feira da Paixão, é uma data comemorativa do calendário brasileiro, sendo também um dia de feriado nacional. Trata-se de um feriado de data móvel, isto é, não ocorre sempre no mesmo dia. De um ano para o outro há variação na data dessa celebração.

Quantos dias faltam para o dia da Sexta-Feira Santa 2020?
hoje é .
O dia de Sexta-Feira Santa é feriado nacional, celebrado em 2020 dia 10 de abril
Faltam 178 dias para o dia da Sexta-Feira Santa, dia 10 de abril 2020
Sexta-Feira Santa e a Páscoa - Calendário 2020
Abril 2020
DoSeTeQuQuSe
29303101020304
05060708091011
12131415161718
19202122232425
26272829300102
03040506070809
01: Dia da Mentira 10: Paixão de Cristo
12: Páscoa 19: Dia do Índio
21: Tiradentes 22: Descobrimento do Brasil

Relação entre a Sexta-Feira Santa e a Páscoa

O feriado da Sexta-Feira Santa ocorre sempre na sexta imediatamente anterior à Páscoa e muita gente se pergunta o por que. E a resposta é muito simples: essa é uma festa cristã, em que as pessoas são convidadas a relembrar a Paixão e Morte do Senhor Jesus Cristo. Mas a celebração não se encerra com a morte, posto que a história cristã diz que Cristo ressuscitou. Portanto, celebra-se a Paixão e Morte nesse dia e a ressurreição no Domingo de Páscoa.

A ideia, entretanto, é que os cristãos celebrem essa data em clima de meditação e não de luto, pois o seu Senhor já não está morto: Ele vive!

Por que essa sexta-feira é chamada “Santa”?

No cristianismo, Deus é santo e os humanos são pecadores; a santidade é incompatível com o pecado, então o pecado da humanidade nos separa de Deus. A punição pelo pecado é a morte eterna. Mas a morte humana e os sacrifícios de animais são insuficientes para expiar o pecado. A expiação requer um sacrifício perfeito e sem mácula, oferecido da maneira correta.

Os cristãos creem que Jesus Cristo foi o único e perfeito homem-Deus, que a sua morte proporcionou o perfeito sacrifício expiatório pelo pecado e que através de Jesus, nossos próprios pecados podem ser perdoados. E como esse dia marca a celebração de tal evento histórico, temos por certo que esse é um dia santo, já que nele fazemos memória ao dia em que fomos libertados dos nossos pecados.

Tradições Religiosas

A Igreja que mais se empenha nas celebrações da Sexta-Feira Santa é a Católica, que a utiliza no desfecho de sua caminhada quaresmal, em que os fieis são chamados a fazer penitência pelos seus pecados. Nesse dia a Igreja convoca os fieis ao jejum e à oração para que estejam preparados para celebrar a Páscoa.

Para os fieis católicos esse dia santo está inserido dentro da Semana Santa, período em que são feitas várias celebrações em memória de Jesus.

Em muitas localidades as pessoas costumam fazer as encenações da Via Sacra, relembrando o caminho que Jesus fez carregando a cruz antes de ser crucificado. Às vezes trata-se somente de atividade de piedosa, com os fiéis participando da celebração. Mas em alguns casos esse evento se dá como uma peça teatral, com pessoas encenando a Paixão e Morte do Senhor Jesus.

Fundamentação Histórica

O principal fundamento que os cristãos apresentam para a celebração da Sexta-Feira da Paixão são os relatos da bíblia, que é o livro mais importante para aqueles que creem em Jesus Cristo. Nos Evangelhos estão narrados os fatos da vida de Jesus, passando para a humanidade a ideia de que Ele morreu para nos libertar dos nossos pecados e ressuscitou para reinar eternamente com Deus, o seu Pai Celeste, eternamente no céu.

Sexta-feira Santa – Foi sexta-feira mesmo?

A Bíblia não nos diz exatamente o dia da semana em que Jesus foi crucificado, embora diga que a sua ressurreição se deu no amanhecer do primeiro dia da semana. A maioria dos estudiosos acredita que a crucificação tenha se dado na sexta ou na quarta-feira. Há outros que se comprometem e dizem que foi uma quinta-feira. Em Mateus 12,40 Jesus disse: “Como Jonas esteve três dias e três noites no ventre de um peixe enorme, assim será o Filho do homem três dias e três noites no coração da terra”.

Veja agora algumas explicações dadas pelos defensores de cada uma dessas teorias:

  • Sexta – Sabemos que Jesus esteve na sepultura por três dias. Se Jesus foi crucificado em uma sexta-feira, como pode haver três dias antes do domingo? Os proponentes de uma crucificação de sexta-feira dizem que, em uma mentalidade judaica, uma parte do dia ainda era considerada um dia inteiro. Então, se Jesus estivesse no túmulo por uma parte da sexta-feira, todo o dia de sábado e depois parte do domingo, isso seria considerado três dias. Marcos 15, 42-43 diz que Jesus foi crucificado no dia anterior ao sábado. Se o sábado mencionado fosse o sábado semanal, então isso se aplica a uma crucificação de sexta-feira.
  • Quinta-feira – Os proponentes de uma crucificação de quinta-feira pensam que há muitos eventos ocorrendo para uma crucificação de sexta-feira para ser possível. Ao adicionar um dia extra, isso alivia o problema.
  • Quarta-feira – Essa visão é baseada em dois sábados naquela semana. O primeiro é aquele no final da crucificação (Marcos 15,42), que teria sido a Páscoa. Então o segundo sábado era o sábado semanal. As mulheres teriam esperado até depois do sábado de quinta-feira para comprar suas especiarias na sexta-feira, depois descansavam no sábado (sábado) e levavam suas especiarias para a tumba no domingo de manhã. Isso leva uma interpretação literal dos três dias e três noites mencionadas em Mateus 12,40.

Não importa em que dia Jesus foi crucificado, sabemos que Ele morreu e ressuscitou da sepultura! Como o dia não é explicitamente mencionado na Bíblia, podemos supor que não é tão importante assim.